domingo, 1 de novembro de 2015

Ceir realiza roda de capoeira em alusão ao Outubro Rosa



 Ao som do berimbau, a roda de capoeira formada por pacientes do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir) ganhou nova cor nesta sexta (30).
 “Resolvemos fazer algo diferente, aproveitar a atividade para conscientizar as mães dos pacientes sobre a importância da prevenção ao câncer de mama, mensagem principal do Outubro Rosa”, explica o reabilitador desportivo do Ceir, Childerico Robson.
 Camisas alusivas à campanha foram doadas pela AVON, marca de cosméticos. A mãe do paciente Yves Reis aproveitou para fazer um alerta: “É indispensável que nós mulheres façamos a prevenção ao câncer de mama, através da mamografia, pelo menos uma vez a cada ano”, pontua Katiucy Freitas, de 37 anos.
 O Outubro Rosa é um movimento realizado mundialmente com campanhas de conscientização sobre o câncer de mama.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Capoeira do Ceir participa de encontro de Fisioterapeutas


por Cláudia Alves

Pacientes do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), que realizam a Capoeira durante o tratamento de reabilitação físico-motora, participaram do I Encontro de Fisioterapeutas do Centro Universitário Uninovafapi, nesta sexta-feira (16).


O encontro reúne estudantes, professores e profissionais da área, abordando temas como origem e especialidades da Fisioterapia, entre outros.

Segundo Childerico Robson, capoeirista e coordenador da Reabilitação Desportiva do Ceir, a participação dos pacientes da Capoeira no evento foi fundamental. 


“O trabalho que desenvolvemos na Capoeira do Ceir tem o papel importante do fisioterapeuta. É um trabalho multiprofissional e integrado. Uma visão essencial para os estudantes e profissionais ingressando no mercado”, afirma.

A prática da Capoeira na reabilitação físico-motora do Ceir é realizada há sete anos.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Atletas piauienses se destacam em competições paralímpicas

O Centro Integrado de Reabilitação do Piauí (Ceir) tem revelado muitas promessas do esporte paralímpico piauiense. São pessoas que lutam e vencem diariamente preconceitos, dificuldades e limitações através do esporte. Nas piscinas todas as dificuldades são transformadas em conquistas.
Segundo o supervisor de reabilitação desportiva do Ceir, Childerico Robson, o esporte é uma das formas de melhorar a autoestima e aceitação na sociedade. Quando identifica um paciente com habilidades extras, ele oferece um treinamento diferenciado.  Só este ano, além dos índices conquistados, já somam seis medalhas de ouro, uma de prata e duas de bronze.
Que saber um pouco mais sobre essa história? Confira na reportagem de Rhayara Pontes e Victor Costa.



Por Rhayara Pontes
Foto: Ascom Ceir
FONTE: esporthe.wordpress.com

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Nossa garotada da Capoeira deu um show de gingado e ritmo durante o I Fórum Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência, realizado na OAB-PI.
Galerinha, vocês são nosso orgulho! Emoticon heart
Descrição da imagem ‪#‎PraCegoVer‬: Há um grupo de crianças em uma roda de capoeira e adultos ao seu redor.
Fonte: Facebook - Ceir Piauí

Prática esportiva ajuda na reabilitação de pessoas no CEIR


Fonte: Facebook - Tv Assembleia Legislativa do Piauí.Oficial

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Paratletas piauienses em destaque nacional almejam patamares ainda mais elevados

Alguns pacientes foram além do tratamento e tornaram-se paratletas
Autor: Valéria Neves
TERESINA - Pela terceira vez consecutiva a delegação brasileira despediu-se dos Jogos Parapan-Americanos liderando o quadro de medalhas. Com 257 medalhas: 109 de ouro, 74 de prata e 74 de bronze, o Brasil deixou Toronto batendo recorde de medalhas. O desempenho mais que satisfatório, que deixou tanto a comissão técnica quanto os atletas com ótimas expectativas para os Jogos Olímpicos no Rio em 2016. É importante lembrar que a liderança aconteceu desde o primeiro dia de competição.
A equipe do Capital Teresina, em um bate papo com Childerico Robson, supervisor de reabilitação desportiva do Centro Integrado de Reabilitação (CEIR), também professor de capoeira, natação e personal trainer, fez algumas perguntas sobre o cenário de paratletas no Piauí. Conversamos também sobre os Jogos Paraolímpicos e sobre como o profissional enxerga a modalidade no país.

Childerico, supervisor de atividades desportivas do CEIR  Foto: Gabriel Torres CT

Com relação ao Parapan, Childerico diz que hoje a maior preocupação do Comitê é com a renovação, a busca por novos atletas. Tanto que, no Parapan de Toronto, houve a participação de atletas de base. É por isso que além do belíssimo trabalho realizado com os atletas de alto rendimento, tem-se feito também um trabalho bem forte na base. Neste cenário, as expectativas para os Jogos Olímpicos 2016, que acontecerão no Rio de Janeiro, são as melhores possíveis. “O Brasil tem total condição de estar entre os cinco melhores e brigar inclusive pelo pódio”, conclui.
Para o preparador, a nível estadual, o que falta é uma organização maior na modalidade, que sejam criadas competições “a confederação está tentando estruturar uma melhora, com um calendário que conte com mais campeonatos”, explica. Falta uma maior divulgação e mais investimento nos atletas e na parte estrutural dos próprios Centros. Além do CEIR, há também outras praças de atividade na capital, como o Serviço Social do Comércio (Sesc) e as Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAEs).
Conseguindo essas melhorias o processo de ingressar atletas para a equipe que integra competições nacionais e mundiais se tornará bem mais fácil, já que o Piauí já faz parte desse processo. “O Piauí a nível regional tem excelentes resultados, com medalhas em todas as categorias em que competimos, e isso para atingir um nível internacional é um passo”, reforça Childerico.
É importante lembrar que os projetos de reabilitação tiveram um crescimento muito grande com a vinda da AACD para o estado. "Com os treinamentos que tivemos e que nos capacitaram, foi instituido no centro a reabilitação desportiva - com a prática de várias atividades".

Centro Integrado de Reabilitação Foto: Gabriel Torres CT

Outro problema enfrentado no Piauí é a falta de estrutura fora desses Centros. Muitas academias e clubes não contam com estrutura e nem com profissionais aptos a lidar com nossos paratletas. “Há 15 anos eu comecei a levar pessoas com deficiência física para academias, eu era tido como louco. E me diziam que eu teria que me responsabilizar pelo que eu estava fazendo”, lembra.

Reabilitação Desportiva (CEIR)

“Aqui no CEIR nós temos pacientes que chegam por já terem praticado esporte, temos também os que chegam para conhecer a reabilitação desportiva e aqueles que buscam nesse processo uma melhora para sua atual situação. E essa procura acontece justamente por uma vontade dos pacientes de estarem se exercitando”, relata o profissional. O centro conta com atividades como: natação, hidroginástica, basquete para cadeirantes, futebol para amputados, dança e capoeira.
Alguns pacientes foram além do tratamento e se tornaram paratletas, obtendo destaque em competições locais e nacionais. No Centro o paciente passa a competir não depois do processo de reabilitação, ele começa a competir dentro deste processo.

Parcerias

O CEIR, por não ter muitas modalidades esportivas para a reabilitação dos pacientes, aos poucos está amadurecendo e tentando fazer parcerias para que após saírem do Centro, os paratletas possam continuar inseridos no meio esportivo, e em outras modalidades, como: tiro com arco e flecha e tênis de mesa.
FONTE: http://www.capitalteresina.com.br/noticias

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Mini Documentário : Água mole em Pedra Dura


Publicado em 9 de jul de 2015
A rotina de treinos da nadadora paraolímpica Nayara Linhares e de seu treinador Childerico Robson nas piscinas do CEIR, , realizado como trabalho de conclusão da disciplina "Laboratório Avançado de Telejornalismo" do curso de Comunicação Social da UFPI (Universidade Federal do Piauí).

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Galego participa de quadrilha náutica com pacientes do Ceir


FONTE: cidadeverde.com


Ceir realiza 1ª Quadrilha Junina Aquática

26/06/2015 por Cláudia Alves


A animação do São João chegou às águas das piscinas do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir) na manhã desta quinta (25). O Setor de Reabilitação Desportiva do Centro realizou a 1ª Quadrilha Junina Aquática do Ceir.

https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif
https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif

https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif
“Sempre reforço que no Ceir, não reabilitamos pessoas, reabilitamos vidas. Aqui, as limitações físico-motoras de nossos pacientes não são empecilhos para eles participarem, por exemplo, de uma quadrilha junina”, destaca o coordenador de Reabilitação Desportiva da instituição, Childerico Robson.
Pensando nisso, Childerico, juntamente com toda a equipe do Setor, proporcionou uma manhã de muito forró pé de serra para pacientes e colaboradores. Detalhe: dentro de uma das piscinas do Ceir.

Íntima das águas, a para-atleta Naiara Linhares conta a experiência. “Nunca imaginei participar de uma quadrilha junina dentro de uma piscina. Foi um momento que vou lembrar para sempre e espero poder repetir novamente”, finaliza.


FONTE: www.ceir.org.br

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Pacientes do CEIR recebem kits de higiene bucal

Pacientes do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir) tiveram mais um motivo para sorrir nesta sexta-feira (19). Isso porque uma das empresas parceiras do Setro de Reabilitação Desportiva do Ceir, a Nutrydiet - Suplementos Alimentares, doou 50 kits de higiene bucal para o Setor de Odontologia do Centro.

A pequena Lara Rosa, de % anos de idade, foia primeira paciente a ganhar o kit e não escondeu a empolgação. Para o coordenador da Reabilitação Desportiva do Ceir, Childerico Robson, a iniciativa é um exemplo para outras empresas.

"Ficamos muito felizes em poder proporcionar momentos como esse. Um kit simbólico de higiene bucal pode ser algo simples para uma pessoa, mas para alguns de nossos pacientes é algo muito especial", finaliza. 




Pacientes do Ceir desfilam em passarela inclusiva


“Ela adora desenhar vestidos. Quando soube que ia desfilar, ficou maravilhada. Uma emoção para ela e para mim também”, conta Jani Ieda, mãe da Maria Gabriele, de 13 anos.

Gabriele é paciente do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir) há 5 anos. Juntamente com os pacientes Victor Emanuel, Nayara Beatriz, Osíris Rocha e Luís Davi, ela participou de um desfile inclusivo, na noite dessa quarta-feira (17), no IV Forma Design, em Teresina.  

As crianças desfilaram uma coleção inspirada no filme Up – Altas Aventuras. “Pensamos em fazer algo que transmitisse a alegria, a liberdade e a diversão, em harmonia com a faixa etária e com o gosto pessoal das crianças”, explica a idealizadora da coleção, Brenda Pinheiro, estudante de Design.

Segundo Childerico Robson, reabilitador desportivo do Ceir, levar essas crianças para uma passarela é uma forma de mostrar que elas podem ir para qualquer lugar que quiserem. 

“Sempre digo que no Ceir não reabilitamos pessoas, reabilitamos vidas. Quando aceitei o convite de levá-las para uma passarela, não hesitei. Pensei em mostrar para essas crianças mais um mundo, que parece ser tão distante delas, mas que só necessita de um elo, como esse desfile”, comenta.

Luís Davi, de 15 anos, não esconde a emoção: “Achei o convite inesperado. Mas gostei muito de participar”. Joelma Lustosa, mãe do Victor Emanuel, completa: “Momentos como esse são essenciais para o desenvolvimento dessas crianças. Já que elas estão tendo interação com outras crianças, com outro ambiente”.



Agradeço ao meu amigo Dr Rafael Levi, que possamos realizar muitas outras parcerias em prol do Paradesporto do Piauí.


FONTE: Matéria retirada da Revista Avante

terça-feira, 16 de junho de 2015

Paciente com doença muscular usa esporte para ser mãe: "Combustível"

Na natação, Samara Lima se apaixona por atividade física para ganhar força nos membros e ninar herdeiro. Piauiense festeja evolução: “Com dificuldade, mas consigo”

Por  
Teresina


Esta não é uma história sobre atletas. Tampouco multicampeões dos gramados, quadras e afins. O roteiro da vida de Samara Lima é digno de enredo de filme. Daqueles de encher os olhos de lágrimas e o coração de esperança. Grávida de sete meses do primeiro filho, ela encontrou na atividade física o ponto de equilíbrio para guiar o momento mais delicado da maternidade. A hidroginástica virou trampolim para a mamãe superar uma doença neuromuscular progressiva que diminui a força dos músculos do seu corpo, adquirida quando ela ainda nem tinha vindo ao mundo. Os dribles diários dados na doença com ajuda da inspiração trazida do esporte ganhou um pano de fundo surpreendente: o chá de bebê promovido pelas colegas de terapia há poucos dias fez nascer um largo sorriso no rosto e a encheu de motivação para a chegada de Samuel. Link para o vídeo aqui.
- Essas terapias são como combustível para o meu corpo. Meu problema é degenerativo e só piora com o tempo. Não tem medicamento (que cure). As terapias melhoram o meu movimento e retardam a aceleração da doença. Graças a esse tratamento, eu consigo me movimentar. Com dificuldade, mas consigo. Faço tudo sozinha. Eu não esperava que as meninas fizessem o chá de bebê. Não tenho nem palavras. Nem sabia que eu ia chamar tanta atenção das pessoas aqui – confessa sorridente após o susto.
Samara CEIR (Foto: Renan Morais/GloboEsporte.com)Samara é surpreendida com chá de bebê após terapia (Foto: Renan Morais/GloboEsporte.com)
 
Paciente há meses do Centro Integrado de Reabilitação em Teresina, Samara se acostumou a viver rodeada de desafios – não apenas os impostos pelas educadoras físicas nas piscinas. Casada com um deficiente visual, a mamãe de primeira viagem ganha força muscular dia após dia por conta das atividades físicas. A amizade mais íntima com a cadeira de rodas – e que pôs o andador de canto por alguns dias – tem dado maior segurança com possíveis quedas em pleno sétimo mês de gestação.
- Meu marido é minhas pernas, e eu sou os olhos dele. No início, foi muito complicado aceitar a ideia de sermos pai e mãe, mas hoje o Samuel é bem amado. É claro que vamos encontrar dificuldades, mas estamos dispostos a enfrentar. Eu guio meu marido, ele me ajuda treinando bem para segurar o bebê. Desistir? Jamais! – enfatiza.
Samara CEIR (Foto: Renan Morais/GloboEsporte.com)Samara fez da cadeira de rodas e da piscina suas melhores amigas na gestação (Foto: Renan Morais/GloboEsporte.com)
 
As seções de exercícios passadas pela equipe médica foram diminuídas por conta da gravidez, sobretudo com cargas de atividades feitas sobre tatames e bicicletas. O uso do esporte para garantir a saúde do bebê é defendido pelos envolvidos diretamente no plano materno da família.
- Samara é uma paciente muito presente e faz hidroginástica duas vezes por semana. O exercício tem ajudado bastante ela porque tem fortalecido a musculatura dos membros superiores e inferiores. Sempre alerto: tu tem que ter força para segurar o teu bebê, e usamos cargas dosadas para isso. Ela faz exercícios de condicionamento físico, deslocamento e exercícios focados.  A gente não intensifica por causa do estado atual dela – explica a educadora física Slânia Bastos.

FONTE: globoesporte.globo.com/pi/noticia

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Setor de Reabilitação Desportiva participa de evento na Faculdade Santo Agostinho

Na tarde de hoje, participamos do Seminário Integrador de Bacharelado em Educação Física da Faculdade Santo Agostinho.
Na oportunidade, o coordenador do Setor de Reabilitação Desportiva do Ceir, Childerico Robson, explicou sobre o tratamento de reabilitação desenvolvido pelo Setor.
O evento contou com a participação mais do que especial da nossa roda de capoeira. Ao som do berimbau, demos uma aula de superação de limites e determinação.
Obrigado pelo convite e carinho, adoramos participar do momento.
 
FONTE: www.facebook.com/CeirPiaui

sábado, 28 de março de 2015

A garotada da Capoeira do Ceir recebeu uma surpresinha hoje (com gosto de chocolate!!!!)









 

A garotada da Capoeira do Ceir recebeu uma surpresinha hoje (com gosto de chocolate!!!!)
O parceiro do Setor de Reabilitação Desportiva do Ceir, Body One, doou ovos de chocolate para a alegria da nossa meninada.
Obrigado, Body One. Vocês estão no nosso coração! 
 
 

segunda-feira, 23 de março de 2015

OAB-PI realiza 1º Dia do Paradesporto no Clube do Advogado

23/03/2015
paradesporto
A Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência, realizou, neste domingo (22), o 1º Dia do Paradesporto, no Clube do Advogado. Diversas pessoas com deficiência praticaram natação, futebol e capoeira, em uma manhã de lazer, diversão e inclusão.
Durante o dia houve apresentação de dança, futebol com jovens da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), futebol com muletantes, natação e capoeira com paratletas do Centro Integrado de Reabilitação (Setor de Reabilitação Desportiva do Ceir). Os paratletas, suas mães e entidades receberam medalhas.
De acordo com a presidente da Comissão, Justina Soares, o domingo era um dia de alegria. “Hoje é o dia municipal da pessoa com deficiência. Viemos ao clube para um dia de alegrias, para comemorar tudo o que conquistamos até aqui. Ainda falta muito a ser conquistado, mas vamos nos divertir e que nossa felicidade contagie até quem não pode estar aqui hoje”.
Joaquim Santana, conselheiro seccional e membro do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CONADE), reforçou os esforços da OAB-PI na luta das pessoas com deficiência. “A OAB não mede esforços na luta das pessoas com deficiência, por isso que a Comissão da Pessoa com Deficiência consegue trabalhar bem. Estamos sempre disponíveis, enquanto OAB, para o que vocês precisarem”, afirmou.
José Milton, integrante do futebol para muletantes, sobre a satisfação em participar do evento. “Esperamos servir de exemplo para muitas pessoas não deficientes. Os obstáculos que enfrentamos são grandes, mas conseguimos superá-los”.
O diretor do Clube, Jairo Cavalcante, afirmou que ficou muito feliz em receber os paratletas. “Ficamos contagiados pela alegria de vocês”.
A vice-presidente da OAB-PI, Eduarda Miranda, declarou que OAB estava cumprindo seu papel de cidadania. “Essa iniciativa da Comissão demonstra que todos nós temos que trabalhar e caminhar de mãos dadas. Temos direitos iguais de viver essa alegria, de viver o esporte, para nos tornarmos uma sociedade mais igualitária e mais feliz”.
“Nós aqui, com esses variados eventos, demonstramos para a sociedade que as pessoas com deficiência têm condições de desenvolver uma vida normal, se dedicar a todo tipo de atividade. Também uma forma de demonstrar que as pessoas podem ser incluídas no mercado de trabalho, porque elas têm condições de desenvolver todo tipo de atividade. É, portanto, um marco de dedicação a uma causa que é tão importante no Brasil, mas que infelizmente ainda não é observada por toda a sociedade”, afirmou o presidente da OAB-PI, Willian Guimarães.
Estiveram presentes, Cláudia Martins, membro da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência; Girlane Cassiano e Noélia Sampaio, presidente e membro da Comissão de Promoção da Cidadania, respectivamente; Ana Lúcia Sousa, presidente da Comissão de Políticas Públicas sobre Drogas; Gabriel Pierot, presidente da Comissão de Direito Desportivo; Daniel Oliveira, secretário de Justiça do Estado do Piauí; Mauro Eduardo, representante da Secretaria para Inclusão da Pessoa com Deficiência (SEID); Clauder Girão, coordenador de Apoio à Pessoa com Deficiência da SASC; Galba Coelho, secretário da Semel; e Antônio Santos, presidente do Sindicato dos Árbitros.


sábado, 21 de março de 2015

Seleção Máster de Castelo x Seleção de Amputados deram um exemplo de superação.


 09/03/2015 - 15:07 Esporte

Confiram as imagens do jogo do anoNo último sábado, 07/03 aconteceu no ginásio Poliesportivo o evento  idealizado pelo senhor Manoel Tavares, da localidade Palmeirinha com o apoio da Prefeitura Municipal de Castelo do Piauí e Secretaria Municipal de Assistência Social. O evento teve o intuito de promover a inclusão social no desporto castelense. O ponta pé inicial do jogo foi dado pela secretária Ceres Vidal.

Na disputa histórica na quadra do ginásio poliesportivo jogaram a seleção de Atletas Amputados do Piauí contra a seleção Máster de Castelo do Piauí.  
O jogo começou bem disputado, porém o time da Vitória da Conquista (Atletas Amputados) saiu atrás do placar em seguida os atletas da seleção de Amputados forram em buscar o empate, sendo que  e o camisa 10 Soares empatou o jogo.

Na segunda etapa o jogo continuou muito disputado tendo no resultado final de: 
 Máster 6 x 4 Vitória da Conquista. Foi um jogo que o vencedor foram todos as pessoas que estiveram envolvidas nesse ato de solidariedade e paixão ao esporte e principalmente a inclusão Social. Ao término da parte o Atleta Amputado castelense Manoel Tavares foi homenageado juntamente com todos os atletas que participaram do jogo.

 Léo Cardoso Assessor de Comunicação, ao término da partida agradeceu aos atletas que vieram de Teresina para este jogo festivo, participou da entrega da premiação, e diz ter ficado feliz pela garra dos atletas em quadra.


A Secretária Ceres Vidal parabenizou ao time de Atletas Amputados do Centro de Reabilitação Integrado o CEIR de Teresina, e disse ter ficado feliz pela superação de cada um dos atletas. Ceres ressaltou que a prefeitura de Castelo irá fazer uma seleção de jogadores amputados para ajudar na inclusão dessas pessoas  no esporte local. 

Imagem :Raimundo Saraiva
Escalações:Vitória da Conquista: Marquesa - Soares - Ismael - Feliciano - Cristiano - Eliesio - Manoel.

Imagem :Raimundo Saraiva
Escalações:Máster: Célio Roberto - Igo Rafael - Francimar - Jerry Adriano - Toizim - Joelson Viera - Arthu - Wilson.

Imagem :Raimundo Saraiva
Imagem :Raimundo Saraiva
Imagem :Raimundo Saraiva
 
 

terça-feira, 10 de março de 2015

Recuperação desportiva revela talentos olímpicos


Créditos: Gabriel Tôrres/CT

A prática de esportes auxilia na recuperação dos movimentos e da auto-estima
Autor: Jéssica Monteiro
Recuperação desportiva revela talentos olímpicos
Créditos: Gabriel Tôrres/CT 
Educador físico Childerico Robson
 Praticar exercícios físicos é, indiscutivelmente, uma das principais indicações para quem quer seguir um estilo de vida mais saudável. A prática em alguns casos, entretanto, pode representarr bem mais do que isso. “Significa superar limites. Sentir-se útil. Melhorar principalmente a auto-estima” revela o educador físico Childerico Robson, especialista em reabilitação desportiva.
Sejam as deficiências resultados de acidentes ou não, Chil, como é carinhosamente chamado por seus pacientes, entende que as limitações são, na verdade, potenciais que devem ser alcançados. “Nós aqui não enxergamos problemas em ninguém, nós só enxergamos as potencialidades”, garante.
E foi superando limites que o talento das atletas Nayara Linhares e Ana Kássia Nascimento foi revelado. Na última semana, as meninas conquistaram quatro medalhas de ouro e três de prata na na etapa Norte-Nordeste do Circuito Caixa Loterias 2015, garantindo também classificação para a etapa Nacional do evento, prevista para acontecer no segundo semestre deste ano. “Eu me sinto livre quando estou na piscina”, revela, emocionada, Nayara.
 
As atletas Nayara Linhares e Ana Kássia Nascimento recebem homenagem no CEIR (Foto: Gabriel Tôrres/CT)
O amor pela natação foi descoberto na fase de reabilitação. Os olhos atentos dos terapeutas acompanham não só a recuperação dos movimentos e da auto-estima, mas identificam potenciais olímpicos. 
“No começo eu pensei que eu não era capaz de nadar com uma perna. Com o passar do tempo a gente foi descobrindo que uma perna a mais ou uma perna a menos não faz diferença, basta a gente ter força de vontade e seguir em frente”, conta Ana Kássia, que enfrentou a depressão antes de conquistar uma medalha. Juntas, Nayara e Ana Kássia garantem que o próximo sonho a ser conquistado é uma Olimpíada. “Quem sabe Rio 2016?”, indaga sorridente Ana. 
Roda de capoeira no CEIR (Foto: Gabriel Tôrres/CT)
Além da natação, o Centro Integrado de Reabilitação (CEIR) disponibiliza também a prática de capoeira, futebol, basquete e hidroginastica. E é em uma roda de capoeira que Socorro da Silva assiste a melhora progressiva do filho, Gilherme da Silva, de 14 anos, acometido por paralisia. Numa roda de crianças, cada um se movimenta como pode ao som do pandeiro e dos comandos encorajadores de Childerico. “É uma brincadeira! Meu filho vem pra cá pra brincar e tem gente que nem acredita que quando ele chegou ele nem andava”, conta Socorro. 
Capoeira no CEIR (Foto: Gabriel Tôrres/CT)

terça-feira, 3 de março de 2015

Paratletas do Ceir são destaques no Circuito Caixa 2015

 03/03/2015 por Cláudia Alves

Uma dupla de paratletas do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir) foi destaque na etapa Norte-Nordeste do Circuito Caixa Loterias 2015, realizado nesse final de semana, em Recife.


As paratletas Nayara Linhares e Ana Kássia trouxeram, da principal competição de natação, atletismo e halterofilismo paralímpicos do Brasil, quatro medalhas de ouro e três de prata. Além disso, a dupla está classificada para a etapa Nacional do Circuito, prevista para acontecer no segundo semestre deste ano.
De acordo com o Comitê Brasileiro Paraolímpico, em suas provas, Nayara Linhares realizou o tempo estabelecido para se juntar aos grandes nomes do esporte paralímpico do país. “Apesar das limitações e dificuldades, conseguimos representar bem o Piauí na competição. Alcançamos o índice para seguir ao Circuito Caixa Nacional e nos destacamos dos demais competidores”, comenta.
Nayara conquistou três medalhas de ouro e uma de prata. Já Ana Kássia trouxe para casa outra medalha de ouro e mais duas de prata. “Tivemos um treinamento intenso para esta competição. Nossa experiência em competições anteriores ajudou no nosso desempenho. Esperamos conseguir recursos para seguir no Circuito”, frisa Ana.
Segundo o coordenador do Setor de Reabilitação Desportiva do Ceir, Childerico Robson, a dupla já soma cerca de 40 medalhas conquistadas em competições regionais e nacionais. “O desempenho das meninas no Circuito é mais uma prova de que o tratamento de reabilitação desportiva no Ceir ultrapassa a barreira da limitação física motora”, destaca.
O Circuito Caixa Loterias é uma das etapas para os atletas brasileiros que sonham em representar o país nos Jogos Paralímpicos Rio 2016

FONTE:  www.ceir.org.br

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Ceir e OAB-PI assinam convênio de bolsa de estudo para paratleta

26/02/2015 por Cláudia Alves

A fim de desenvolver o paradesporto do Centro Integrado de Reabilitação (CEIR), aconteceu,neste quinta-feira (26),uma reunião para firmar parceiras entre instituição e órgão públicos e empresas privadas. 


A parceria do Setor de Reabilitação Desportiva do Ceir com a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Piauí (OAB-PI), e um Centro de Ensino Superior (CESVALE) resultou na cessão de uma bolsa integral para uma paratleta.
“A parceria é um case para a Comissão de Defesa das Pessoas com Deficiência da OAB-PI. Não estamos apenas cumprindo o dever de atendimento educacional especializado às pessoas com deficiência, como determinado por lei, mas, dando o primeiro passo e sendo o primeiro exemplo de uma parceria de sucesso”, afirma o presidente da OAB-PI, William Guimarães.


Na ocasião, William convidou a paratleta contemplada pela bolsa de estudo, Naiara Linhares, para integrar e contribuir com a Comissão de Defesa das Pessoas com Deficiência da entidade.
No encontro de parcerias, foi destacado o contrato, já assinado, entre o Setor de Reabilitação Desportiva do Ceir e o Ministério Público do Estado do Piauí (MPE-PI) para a destinação de recursos provenientes da arrecadação de multas aplicadas pelo órgão para o desenvolvimento do paradesporto do Ceir. Os recursos serão aplicados na realização, participação e competição de eventos paradesportivos do Centro. 
Além disso, outras parcerias foram realizadas. A Secretaria Estadual para Inclusão da Pessoa com Deficiência (SEID) e a Fundação Estadual de Esportes (Fundespi) doou passagens para as paratletas do Ceir que irão representar o Piauí no Circuito Caixa Loterias 2015, neste final de semana. E uma empresa privada (NUTRYDIET) doou kits de alimentação para as paratletas da competição e 50 kits de higiene para os pacientes infantis da instituição.
O Supervisor do Setor de Reabilitação Desportiva do Ceir, Childerico Robson, ressalta a importância do encontro. "Este é um momento não só de parceria, mas, principalmente, de reconhecimento do trabalho que realizamos para desenvolver o paradesporto do Ceir e, em consequência, do Piauí", pontua.
Estiveram presentes no encontro o superintendente administrativo e financeiro do Ceir e representante da Associação Reabilitar, organização social sem fins lucrativos que administra o Centro, Walter Oliveira; a presidente e o vice-presidente da Comissão de Defesa das Pessoas com Deficiência da OAB-PI, Justina Soares e Gabriel de Sousa, respectivamente; entre outros.  



terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Ceir faz parceria com OAB-PI e Ministério Público para desenvolver paradesporto

 24/02/2015 por Cláudia Alves
 Resultado de imagem para logo de parcerias


 Na próxima quinta-feira (26), às 10h, o Centro Integrado de Reabilitação (Ceir) firmará parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Piauí (OAB-PI), e o Ministério Público do Estado do Piauí (MPE-PI) a fim de desenvolver o paradesporto do Centro. 
O organizador do evento e coordenador do Setor de Reabilitação Desportiva do Ceir, Childerico Robson, explica: “Há diversos casos em que identificamos pacientes com habilidades extras, superior ao nível de tratamento proposto pelo Centro na Reabilitação Desportiva. Diante disso, sugerimos um treinamento esportivo”, pondera.
Segundo Childerico, o Setor de Reabilitação Desportiva do Ceir já encontrou talentos em potencial e destaca a importância da parceria. “É uma oportunidade muito especial para os nossos paratletas. Com essa e outras parcerias, vamos poder investir e impulsionar o paradesporto, como superação e mostra de resultados do nosso trabalho”, pontua.
Além da OAB-PI e do Ministério Público do Piauí, o evento reunirá a Secretaria Estadual para Inclusão das Pessoas com Deficiência (Seid), membros da Associação Reabilitar, organização social sem fins lucrativos que administra o Ceir, e empresas privadas.(Cesvale,Nutrydiet,Lab Bioanalise,B Melo Filho Ind e Comércio,Body One)

FONTE: www.ceir.org.br

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Paratletas do Ceir participam da etapa regional do Circuito Caixa 2015, em Recife

10/02/2015 por Cláudia Alves




Superação de desafios. Essa é a palavra chave da rotina dos pacientes com deficiência física do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir). No setor desportivo, a menos de um mês para a primeira etapa do Circuito Caixa Loterias de 2015, os paratletas do Ceir já intensificam os treinos para a competição.
A delegação formada pelas paratletas Nayara Linhares e Ana Kássia embarca para Recife, Pernambuco, no dia 28 de fevereiro, onde acontece a etapa Norte-Nordeste do Circuito, nas modalidades natação e halterofilismo. Juntas, as paratletas somam cerca de 30 medalhas conquistadas em competições regionais e nacionais de natação.
Durante as sessões de reabilitação física no Ceir, foi na natação que Nayara Linhares, de 21 anos, descobriu como lidar com as limitações motoras, sensoriais e cognitivas resultantes de uma Paralisia Cerebral. “A sensação de liberdade que sinto quando estou nadando é única. Além disso, a natação contribui bastante para o desenvolvimento do meu domínio corporal, fortalecendo meus músculos e, principalmente, na minha socialização com as pessoas”, pondera.
Segundo o reabilitador físico do Ceir, Childerico Robson, a participação dos atletas no Circuito tem caráter de experiência e, também, de competição. “Quando identificamos pacientes com habilidades extras, superior ao nível de reabilitação proposta pelo Centro, sugerimos um treinamento esportivo. Nisso, já encontramos muitos talentos e potencialidades e temos aproveitado as oportunidades de demonstrar o resultado de nosso trabalho em competições”, afirma.
Um exemplo de potencial na natação descoberto pelo esporte paraolímpico do Ceir é a paciente Ana Kássia, de 17 anos. A adolescente foi a primeira paciente do Centro a receber uma prótese ortopédica, há cinco anos, e hoje possui o Troféu Carlos Said na categoria de melhor atleta feminino do paradesporto entre suas conquistas no esporte. Quando questionada sobre a carreira de atleta profissional, Ana Kássia responde: “é um sonho que quero seguir”.
Nesta terça-feira (10) é comemorado o Dia Nacional do Atleta Profissional.

FONTE: www.ceir.org.br