quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Time do Ceir é vice-campeão na II Copa Nordeste de Futebol para Amputados



futebol para amputados ceir
O time de futebol para amputados do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir) viajou ao Ceará para representar o Piauí na II Copa Nordeste de Futebol para Amputados e trouxe para casa, pela segunda vez, o título de vice-campeão da competição.

A Copa foi realizada no último final de semana, na cidade de Maracanaú, e reuniu equipes do Rio Grande do Norte, Ceara ,Bahia, São Paulo e Piauí. “Foi uma disputa acirrada, mas vencemos o time da Bahia de 2 a 1, no jogo decisivo, e garantimos o segundo lugar na competição”, diz o treinador Childerico Robson, reabilitador desportivo do Ceir.
O time de futebol para amputados do Centro de Reabilitação é formado por 12 atletas pacientes da instituição. A modalidade é uma das que integram o Ceir Esportes, junto com a natação, capoeira e basquete em cadeira de rodas, praticados no Ceir; e do tiro com arco e parabadminton, atividades desenvolvidas com parceiros.

Parabadminton

parabadmintonHá um ano, a Auricelia Nunes conheceu o parabadminton, esporte que a tem levado longe. Dona de 23 medalhas, a paratleta ficou nas oitavas de final do Parabadminton Development Camp, competição realizada neste mês em Lima, no Peru, que reuniu competidores de 11 países. Auricelia é a única piauiense na Seleção Brasileira de Parabadminton. 


Texto: Cláudia Alves – Comunicação Ceir

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

#CeirEsportes I Paratleta é campeão brasileiro

Mais de 200 paratletas de todo o país participaram da segunda etapa Nacional do Circuito Loterias Caixa, realizado nesse final de semana, em São Paulo. A competição contou com um piauiense, que trouxe para casa o título de campeão brasileiro nos 50 metros peito da categoria sb3.

Marcos Jeane (1) DSC_0018 Marcos Jeane  (1) Marcos Jeane  (2)

Marcos Jeane treina há pouco mais de um ano no Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), onde faz tratamento, e deixou para trás paratletas de grandes Centros, como a AACD, e o medo de encarar uma competição nacional.

“No início eu fiquei bastante nervoso e não fui bem na primeira prova. Mas no segundo dia, acreditei e consegui. Agora é continuar treinando para as próximas etapas”, conta Marcos Jeane, que ficou em 4° lugar nos 50 metros livre da categoria s4, mas conquistou ouro nos 50 metros peito da categoria sb3.

O paratleta está classificado para a fase final do Circuito Loterias Caixa, que acontece em outubro, em São Paulo. Essa competição é o mais importante evento paralímpico de atletismo, natação e halterofilismo do país, organizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e patrocinado pelas Loterias Caixa, e abre as portas para competições mundiais.

“Estavam na competição os melhores paratletas do país. E o desempenho do Marcos foi espetacular, superou as minhas expectativas. Vamos intensificar os treinos para voltarmos com mais força, velocidade e desempenho na final”, destaca o treinador Childerico Robson, reabilitador desportivo do Ceir.

A ida do Marcos Jeane ao Circuito contou com o apoio da Secretaria Estadual para Inclusão da Pessoa com Deficiência (Seid) e da Fundação dos Esportes do Piauí (Fundespi).

Futebol para amputados

No final desta semana, o time de futebol para amputados do Ceir disputa com o Corinthians na II Copa Nordeste de Futebol para Amputados, em Fortaleza. O time é o atual vice-campeão da competição.

Texto: Cláudia Alves – Comunicação Ceir



Paratleta do Ceir representa o Piauí em São Paulo

O paratleta irá competir neste sábado (5), no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, nos 50 metros peito e livre.

Divulgação Ceir
O Ceir Esportes é uma marca que tem sido aposta do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir) e revelado talentos do paratletismo piauiense. Pela primeira vez, um paratleta da instituição irá representar o Piauí na etapa Nacional do Circuito Loterias Caixa, que acontece neste final de semana em São Paulo.

É o Marcos Jeane, que estreou neste ano na etapa Norte-Nordeste do Circuito Loterias Caixa, que aconteceu em abril no Recife, conquistando três medalhas de ouro na natação e a classificação para a etapa Nacional. “Quando eu comecei na natação, a tinha somente como uma terapia. Hoje eu a tenho como um incentivo a buscar sempre mais e a superar os meus próprios limites”, diz Marcos Jeane, de 24 anos, que aos 18 teve as pernas e braços amputados por conta de complicações de uma meningite.
O Circuito Loterias Caixa é o mais importante evento paralímpico de atletismo, natação e halterofilismo do país, organizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e patrocinado pelas Loterias Caixa. Somente na etapa Norte-Nordeste da competição, paratletas do Ceir já conquistaram 28 medalhas, sendo 17 ouros, 8 pratas e 3 bronzes.

“Em todas as vezes que competimos, nossos atletas se classificaram para a etapa Nacional, mas por falta de apoio não conseguíamos seguir na competição. Mas desta vez, com o apoio da Fundespi e da Seid, o Marcos tem sido a nossa aposta”, comenta o treinador Childerico Robson.

O paratleta irá competir neste sábado (5), no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, nos 50 metros peito e livre. E terá o último treino nesta quinta-feira (3), no Centro Integrado de Reabilitação.

Ceir Esportes

É na capoeira, natação, basquete em cadeira de rodas, futebol para amputados – além do tiro com arco e parabadminton, atividades desenvolvidas com parceiros –, que pacientes, pessoas com deficiência físico-motora e intelectual, têm se transformado em paratletas, com o sonho de chegar ao lugar mais alto do pódio e têm chegado. No Ceir, o esporte tem revelado grandes talentos, que conquistam mais do que medalhas e títulos: a superação de desafios e os seus próprios limites.

Autoria: Cláudia Alves




Veja também:










domingo, 14 de maio de 2017

Vista-se de Gentileza

Um projeto desenvolvido pelo Instituto Dom Barreto (IDB) está aproximando alunos do 7° ano da instituição à realidade da pessoa com deficiência no Piauí por meio do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir).

Nesta sexta-feira (12), um grupo formado por pacientes e familiares, representantes e voluntários do Ceir foi ao IDB para uma troca de experiências que contou com depoimentos e roda de capoeira.

“Quando eu tinha 16 anos sofri uma meningite que me deixou com pernas e braços amputados”, conta Marcos Jeane. “Você tem uma vida normal e do dia para a noite ela muda completamente”, complementa Ingred Lopes, que por sofrer um acidente de escada no ano passado ficou tetraplégica.

Marcos e Ingred têm a mesma idade, 23 anos, e histórias de vida que deixaram os alunos, que lotaram o ginásio da escola, aos aplausos e admiração. Após os depoimentos, alguns puderam fazer perguntas e tirar dúvidas.

Mas a surpresa do encontro não foi só essa: crianças cadeirantes e com paralisia cerebral puxaram uma roda de capoeira com os estudantes, que entraram no ritmo e no gingado, jogando com os pacientes uma dança que vai além da capoeira, pois trata de inclusão e troca de gentilezas.

“Somos duas instituições que abraçamos causas nos vestindo de gentilezas. Essa é uma parceria que está nascendo e plantando frutos para a sociedade”, conta o médico Benjamim Pessoa Vale, presidente voluntário da Associação Reabilitar, entidade social que administra o Ceir.

Na próxima quarta-feira, dia 17 de maio, as instituições realizam mais uma ação do Projeto “Vista-se de Gentileza”. As mães atendidas pela Clínica de Microcefalia do Ceir vão ganhar uma festa, que será realizada a partir das 16h40, no auditório do Centro.

Confira algumas fotos:

DSC_0008 DSC_0047 DSC_0060 DSC_0016


É ouro I Pacientes da natação conquistam ouros em Recife

Nesse final de semana, foi realizada em Recife a etapa Norte-Nordeste do mais importante evento paralímpico de atletismo, natação e halterofilismo do país: o Circuito Loterias Caixa, evento organizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e patrocinado pelas Loterias Caixa. A competição contou com a participação de dois paratletas piauienses na natação.

Aos 23 anos, Marcos Jeane fez sua estreia subindo três vezes ao lugar mais alto do pódio. Com braços e pernas amputadas devido a complicações de uma meningite, o piauiense, natural de Corrente, competiu em três provas: 50 metros peito e livre e 100 metros livre, passando na frente dos adversários e trazendo as medalhas de ouro para casa.

Do outro lado, estava Nayara Linhares que, aos 24 anos, já coleciona mais de 20 medalhas em seis anos de competição. A paratleta, que é cadeirante por conta de uma paralisia cerebral, conquistou três ouros e uma prata em quatro provas, 50 metros costas e livre e 100 metros livre e peito.

O resultado é fruto de um trabalho de reabilitação aliado ao esporte desenvolvido no Centro Integrado de Reabilitação (Ceir). “Nós atuamos com uma reabilitação desportiva que objetivo o tratamento do paciente, mas temos descoberto talentos e trabalhado por eles”, comenta o educador físico Childerico Robson.

Os paratletas conquistaram índices para a etapa nacional da competição, que contou, nessa edição, com mais de 400 participantes.

Confira algumas fotos:

Nayara Linhares no pódio Marcos Jeane no pódio Marcos Jeane e Nayara Linhares Marcos Jeane e Nayara Linhares no pódio