segunda-feira, 28 de março de 2011

Palestra para portadores de deficiência do Cras

Intensificar a importância da atividade física para pessoas portadoras de deficiência. Essa foi uma das principais metas abordadas na palestra ministrada pelo educador físico do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), Childerico Robson, ao grupo de deficientes atendidos pelo Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) Norte II.
 

 O Cras é uma unidade pública estatal voltada à atuação em áreas com maiores índices de vulnerabilidade e risco social, destinada ao atendimento socioassistencial de famílias. “Nós atendemos vários tipos de grupos, voltados à família, ao idoso e, no caso de hoje, aos deficientes. As reuniões acontecem todo mês e os temas são discutidos e sugeridos pelos próprios participantes”, explica a assistente social do Cras Norte, Efigênia Lima.


/
Além de expor os serviços oferecidos pelo Ceir, o educador físico desmistificou a idéia da impossibilidade do deficiente físico ou mental não poder praticar esportes e confirmou a importância de usar a atividade física como uma forma de reabilitação.


 “Nossa intenção é dar oportunidade ao paciente. Visamos a independência do individuo. Não é pelo fato de alguém ter alguma deficiência física que ela não poderá praticar natação, futebol ou capoeira. Desenvolver nossas potencialidades é vital para manter uma boa qualidade de vida”, comenta.

 Acélio Machado, que desde o início do grupo participa das reuniões, confessa que a oportunidade de debater temas que concerne o universo da pessoa com deficiência e conhecer novas pessoas é a forma mais eficaz de se sentir estimulado. Ele também faz reabilitação no Ceir, por conta de problemas vasculares, é amputado da perna direita e faz reabilitação na instituição.

  Além do educador físico Childerico, a assistente social da rede Avape, Iolanda Sá- ONG que visa a inclusão e capacitação do deficiente físico no mercado de trabalho - também ministrou e esclareceu dúvidas sobre o setor. Muita informação e questionamentos marcaram toda a reunião do grupo na manhã da ultima sexta-feira (25).

quinta-feira, 24 de março de 2011

Ganho de experiência e potencial para novas conquistas no Circuito Loteira Caixa Brasil

O atleta do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), Aldemício Rodrigues Paz, disputou, neste final de semana, a etapa Norte/Nordeste do Circuito Loterias Caixa Brasil Paraolímpico de Natação 2011. Na competição realizada em Fortaleza (CE), o piauiense disputou as provas de 100 metros livre, 100 metros costa e 50 metros livres e conquistou experiência para voltar a competir em outros torneios nacionais.

Aldemício tem 47 anos e faz reabilitação desportiva no Ceir. O nadador embarcou rumo à capital cearense na última quinta-feira (16). Na tarde de sábado (19), conquistou a sétima colocação na prova dos 50 metros livre. Na manhã de domingo (21), foi sétimo colocado na prova dos 100 metros livre e quinto colocado na prova dos 100 metros costa.

No Circuito Loterias Caixa Brasil, Aldemício foi acompanhado por um dos educadores físicos responsáveis pela Reabilitação Desportiva do Ceir, Childerico Robson. A competição aconteceu no Náutico Atlético Cearense e serviu como preparação para os Jogos Paraolímpicos de Londres 2012.


Aldemício treinando no Centro Integrado de Reabilitação
Aldemício Rodrigues Paz é portador da síndrome de Guillain Barré, uma doença que tem caráter autoimune e que atinge os músculos, ocasionando a perda de sensibilidade e de resposta aos comando cerebrais. Competir à etapa regional Norte/Nordeste do Circuito Loterias CAIXA Brasil de Atletismo, Halterofilismo e Natação foi, sem dúvidas, uma das experiências mais marcantes na vida dele. Os resultados não se converteram em medalhas, mas foram uma grande em experiência de vida.

O circuito apresentou novos nomes e recordes durante os dois dias de competição, fato que só contribui para a divulgação da importância do esporte paraolímpico em todo o Brasil. O jovem cearence, Francisco Jefferson de Lima ganhou duas medalhas – uma de ouro e outra de prata – e quebrou um recorde brasileiro.

“O Aldemício foi muito bem dentro do que se propôs a fazer e a competição serviu para ele ganhar experiência. Com o apoio do Ceir nós conseguimos provar que a reabilitação desportiva vai muito além do processo de reabilitação física. É uma forma de ultrapassar obstáculos e superar as barreiras da deficiência”, explica o educador físico do Ceir, Childerico Robson.

Embora tenha sido o único piauiense a disputar a competição em 2011, Aldemício não é o primeiro atleta do Ceir a participar da etapa Norte/Nordeste do Circuito Loterias Caixa Brasil de Natação. No ano passado, Andressa Luiza disputou o torneio e faturou duas medalhas de ouro.

Inaugurado em maio de 2008, o Ceir tem papel importante na reabilitação de pessoas com deficiência no Piauí, oferecendo os serviços de  arte-reabilitação, enfermagem, especialidades médicas, fisioterapia, fonoaudiologia, hidroterapia, musicoterapia, nutrição, odontologia, oficina ortopédica, pedagogia, psicologia, reabilitação desportiva, serviço social e terapia ocupacional.

Junto com o Centro Integrado de Educação Especial (Cies), o Ceir forma o Complexo Estadual de Reabilitação em Saúde e Educação Daniely Dias.

Fonte: www.ceir.org.br

quinta-feira, 17 de março de 2011

Atleta da Reabilitação Desportiva representa o Piauí em competição no Ceará

Representando o Piauí na Etapa Regional Norte/Nordeste do Circuito Loterias Caixa Brasil, o atleta do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), Aldemício Rodrigues, embarcou na madrugada desta quinta-feira (16) rumo a Fortaleza – CE. A competição terá inicio na sexta-feira (18) com a classificação funcional e se encerra no domingo (20) com os resultados classificatórios de cada atleta.

Aldemício, foi diagnosticado com síndrome de Guillain Barré, uma doença que tem caráter autoimune, entre outras consequências, atinge os músculos causando a perca de sensibilidade e de resposta aos comandos cerebrais. Ele descobriu o seu potencial esportivo dentro das sessões de reabilitação desportiva do Ceir, quando a natação deixou de ser apenas parte do tratamento para se tornar um direcionamento de vida e superação constante. “Estou preparado para competir, ganhar experiência, e também na torcida para que dê tudo certo”, confessa.

/
Aldemício e Childerico
O educador físico Childerico Robson, estimula o atleta desde o início do tratamento, aliando as potencialidades físicas alcançadas através da reabilitação ao desenvolvimento esportivo de Aldemício. “Ele é muito comprometido com o treinamento e tem grandes chances de se sair bem no circuito. Nosso intuito é participar e agregar experiência, para futuramente termos resultados concretos e pleitear uma vaga na seleção brasileira”, explica Childerico.

A competição é encarada como uma nova possibilidade de superação aos participantes paraolímpicos. Aldemício que tem 47 anos define que a natação não ajuda apenas do tratamento físico já que dentro da piscina a sensação de liberdade e tranqüilidade é instantânea, e isso ajuda tanto a reabilitação física quanto no seu bem estar psicológico.

Ele é o único piauiense competindo no circuito de natação paraolímpica e irá representar o estado com muita vontade e orgulho.