quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Apresentação da capoeira marca I Semana de Arte e Cultura da Estácio Ceut

Apresentação da capoeira marca I Semana de Arte e Cultura da Estácio Ceut

Os primeiros passos começam tímidos, mas efusivos. Aos poucos, o pandeiro dita o ritmo, o som do berimbau harmoniza a ginga e logo a alegria contagia os presentes. E assim o Grupo de Capoeira do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), formado por crianças pacientes da instituição, surpreendeu e encantou mais uma vez durante apresentação, nesta sexta-feira (19), na I Semana de Arte e Cultura promovida pela Estácio Ceut.

Comandados pelo supervisor de Reabilitação Desportiva do Ceir, Childerico Robson, durante a apresentação logo se percebe que as crianças precisam apenas de mais um incentivo, apenas de uma palavra de apoio, para que possam transpor qualquer restrição na função de locomoção e coordenação motora.

Prática tipicamente brasileira, a capoeira auxilia no desenvolvimento humano de diversas formas e com as crianças do Ceir não é diferente. Promovendo a modalidade como instrumento de qualidade de vida, educação, resgate de cidadania e inclusão social, o projeto tem garantido benefícios físicos e psicológicos aos pequenos pacientes. Os resultados positivos podem ser medidos pela opinião de quem vivencia o projeto.

“O Lucas (Nascimento) está com mais de um ano praticando a capoeira no Ceir. Isso tem ajudado muito no desenvolvimento e minimizado as dores que ele sente em virtude do problema de medula presa – doença neurológica que limita os movimentos. Aos poucos ele tem melhorado e só tenho a agradecer aos profissionais que contribuem para isso”, explica cheia de orgulho Aldeniza Nascimento, mãe do pequeno Lucas.

De acordo com Childerico Robson, entre os inúmeros benefícios, a capoeira favorece o equilíbrio, atenção e raciocínio das crianças. “Além de promover o desenvolvimento cognitivo, ao estimularmos às crianças com a prática da capoeira, trabalhamos a educação de uma forma que sejam respeitados o tempo e os limites individuais. Por meio da musicalidade e do ritmo vivenciados nos movimentos, eles ficam mais atentos, o que ajuda a conhecer melhor o próprio corpo e a respeitar o espaço do colega”, frisa Childerico.

Deste modo, a capoeira se revela como um importante instrumento de inclusão para os pequenos pacientes do Ceir. Além dos benefícios físicos, a modalidade favorece o fortalecimento da disciplina e estimula as funções psicoemocionais. Afinal, o esporte é um meio de sociabilização e resgate de valores sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário